Aleitamento.com
AmamentaçãoMãe CangurúCriançasCuidado PaternoHumanização do PartoBancos de Leite Humano Espiritualidade & Saúde DireitosProteçãoPromoçãoILCA / IBCLCConteúdo ExclusivoTV AleitamentoGaleria AMNotíciasEventosSites e BlogsLivrariaCampanhas
 
Faça seu login e utilize ferramentas exclusivas. Se esqueceu a senha, acesse o "cadastre-se" e preencha com seu e-mail.

PREMATUROS em menor número após LEIS ANTI FUMO - estudo científico

Por: Dr. Marcus Renato de Carvalho

 /

 

ESTUDO VÊ QUEDA NO

NÚMERO DE PARTOS PREMATUROS

APÓS LEIS ANTIFUMO

Folha de S. Paulo -  BBC BRASIL

 

A proibição de fumar em locais públicos diminui o número de crianças nascidas prematuramente, de acordo com uma nova pesquisa feita na Bélgica.

 

O estudo, que envolveu 600 mil partos, descobriu três quedas sucessivas no número de bebês nascidos com menos de 37 semanas -cada uma das reduções ocorrendo após uma nova fase de aplicação de leis antifumo. O trabalho foi feito pela Universidade Hasselt na Bélgica.

De acordo com a publicação científica "British Medical Journal", as tendências de queda não foram encontradas em períodos anteriores às proibições.

Em 2012, uma pesquisa escocesa chegou a resultados semelhantes. No entanto, os especialistas escoceses não conseguiram determinar com certeza se a lei antifumo era a causa da mudança, porque os partos prematuros começaram a diminuir antes da proibição.

Já era conhecido o fato de que o hábito de fumo da mãe provoca redução de peso no bebê e aumenta o risco de nascimento prematuro.

 

QUEDAS SUCESSIVAS

 

No levantamento mais recente, os pesquisadores conseguiram analisar a taxa de partos prematuros após cada fase de uma lei antifumo implantada no país.

Lugares públicos e a maior parte dos locais de trabalho foram sujeitos às primeiras proibições em 2006, seguidos por restaurantes em 2007 e por bares que servem refeições em 2010.

Descobriu-se que a taxa de nascimentos prematuros caía a cada fase da proibição, com mais impacto após a aplicação em restaurantes e bares.

Depois das fases de 2007 e 2010, os partos prematuros caíram cerca de 3% em cada período.

No geral, isso corresponde a seis partos prematuros a menos em cada mil nascimentos.

As mudanças não puderam ser explicadas por outros fatores, como a idade e os status socioeconômico das mães ou efeitos populacionais (mudanças na qualidade do ar, por exemplo).

O estudo também não encontrou ligações entre as leis antifumo e o peso dos bebês.

O pesquisador Tim Nawrot, que conduziu a pesquisa na Universidade de Hasselt, disse que até mesmo uma pequena redução do tempo de gravidez já havia sido relacionada em outros estudos a condições de saúde adversas na infância e na vida adulta.

"Porque as proibições aconteceram em três momentos diferentes pudemos mostrar que há um padrão consistente de redução do risco de parto prematuro", disse.

"Isso dá suporte à ideia de que as leis antifumo trazem benefícios à saúde pública desde os primeiros momentos da vida."

 

Esta pesquisa é um exemplo de iniciativa que pode diminuir o número de partos prematuros como divulgamos:

                    PREMATURIDADE: milhões de reais para a prevenção

 

 


 

 

 


Última atualização: 18/3/2013

 

Curtir

Comentários


Essa é uma área colaborativa, por isso, não nos responsabilizamos pelo conteúdo. Leia nossa Política de Moderação.
Caso ocorra alguma irregularidade, mande-nos uma mensagem.

 

Depoimentos

Gostou do site? Ele te auxiliou em algum momento? Deixe seu depoimento, assine nosso livro de visitas! Clique aqui.

Quem Somos | Serviços | Como Apoiar | Parceiros | Cadastre-se | Política de Privacidade/Cookie/Moderação | Fale Conosco
O nosso portal possui anúncios de terceiros. Não controlamos o conteúdo de tais anúncios e o nosso conteúdo editorial é livre de qualquer influência comercial.
Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie.
24 Ano no ar ! On-line desde de 31 de julho de 1996 - Desenvolvido por FW2 Agência Digital