Aleitamento.com
AmamentaçãoMãe CangurúCriançasCuidado PaternoHumanização do PartoBancos de Leite Humano Espiritualidade & Saúde DireitosProteçãoPromoçãoILCA / IBCLCConteúdo ExclusivoTV AleitamentoGaleria AMNotíciasEventosSites e BlogsLivrariaCampanhas
 
Faça seu login e utilize ferramentas exclusivas. Se esqueceu a senha, acesse o "cadastre-se" e preencha com seu e-mail.

\ Cuidado Paterno \ Homem \ Artigo

PAI - DECISIVA PARTICIPAÇÃO na AMAMENTAÇÃO

Por: Wagner de Oliveira - Agência FioCruz de Notícias

Pesquisa enfatiza a participação do pai durante o aleitamento materno


O tempo de duração da amamentação é tido como uma decisão quase que exclusivamente da mãe no acompanhamento da saúde da criança. Tanto que as campanhas que visam estimular o hábito e os benefícios da amamentação são quase que exclusivamente dirigidas às mulheres. Ao pai do bebê é colocado um papel secundário, muitas vezes coadjuvante, reduzindo o envolvimento dos homens quanto à adoção e ao tempo de duração do aleitamento materno. Uma pesquisa que avaliou os fatores associados à duração do aleitamento, contudo, indicou que a influência do pai pode ser muito maior do que se imaginava.

Leite materno também é coisa de pai


 

O tempo de duração do aleitamento infantil é tido como uma decisão quase que exclusivamente da mãe no acompanhamento da saúde da criança. Tanto que as campanhas que visam estimular o hábito e os benefícios da amamentação são quase que exclusivamente dirigidas às mulheres. Ao pai do bebê é colocado um papel secundário, muitas vezes coadjuvante, reduzindo o envolvimento dos homens quanto à adoção e ao tempo de duração do aleitamento materno. Uma pesquisa que avaliou os fatores associados à duração do aleitamento, contudo, indicou que a influência do pai pode ser muito maior do que se imaginava.

 
 

A partir de dados de 450 crianças com até 24 meses de idade, uma pesquisa realizada em três municípios da região do Alto do Jequitinhonha, em Minas Gerais, indicou que a maior escolaridade paterna e o fato de o pai não morar com a criança foram fatores associados à menor duração do aleitamento materno entre as crianças estudadas. Nos casos de crianças que não residiam com o pai, o risco de interrupção do aleitamento foi 1,62 maior em relação aos que bebês que viviam junto com o pai e a mãe. A maior escolaridade, por sua vez, representou um risco 1,47 maior para o abandono do aleitamento. Ou seja, em casa com pais mais instruídos os bebês tiveram um risco maior de interromper a amamentação com leite materno.

Para os autores do estudo, Francisco Silveira e Joel Lamounier, respectivamente da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e da Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais, os resultados encontrados sugerem a necessidade de um maior envolvimento do pai, e não somente da mãe, no acompanhamento da saúde da criança desde a gestação até as consultas depois do nascimento do bebê.

A pesquisa foi publicada em recente edição dos Cadernos de Saúde Pública (www.ensp.fiocruz.br/csp), editado pela Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (Ensp) da Fiocruz. O artigo também recuperou em outros autores alguns dos fatores que distanciam o pai no acompanhamento da saúde das crianças. Um desses fatores indica que apenas 25% dos futuros país estavam presentes nas consultas de pré-natal. Alguns dos motivos alegados pelos pais para não comparecerem às consultas: impossibilidade de irem ao serviço de saúde, não solicitação pelo profissional de saúde (embora o pai estivesse no local da consulta de pré-natal) e sentimento de que o médico podia não gostar da presença do pai no momento da consulta de pré-natal.

"Nos programas formulados para incentivo e apoio ao aleitamento materno devem estar incluídas ações específicas para os pais, o que poderá contribuir para uma melhoria dos hábitos alimentares de recém-nascidos e lactentes", defenderam os autores no artigo.

O estudo foi realizado nos municípios de Carbonita, São Gonçalo do Rio Preto e Datas, locais em que a população tem baixo poder aquisitivo. Além do papel do pai no tempo de aleitamento, o estudo indicou o uso da chupeta pela criança como outro fator ligado à menor duração do aleitamento materno. O risco de interrupção do aleitamento materno nas crianças que usaram chupeta foi 3,16 vezes maior em relação às que não a usaram. Alterações na arcada dentária, maior risco de asma, febre, diarréia e parasitoses intestinais são outros dos riscos associados ao o uso da chupeta.

Considerado o alimento ideal para o crescimento e o desenvolvimento adequados de crianças, o leite materno é indicado de forma exclusiva até o sexto mês e complementado com outros alimentos até, pelo menos, os 24 meses de idade.
Abril/2006
Foto: Ana Limp/Fiocruz
*********************************************************************************************************
 
 
Nós sempre acreditamos que o PAI é fundamental no ALEITAMENTO MATERNO,
daí o nosso site, com um setor exclusivo para o homem, e nossa Campanha de Valorização do Cuidado Paterno, que em 2003 tinha como slogam:
PAI - DÊ O PEITO PARA O SEU FILHO !
 
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
 


Última atualização: 14/6/2011

 

Curtir

Comentários


Essa é uma área colaborativa, por isso, não nos responsabilizamos pelo conteúdo. Leia nossa Política de Moderação.
Caso ocorra alguma irregularidade, mande-nos uma mensagem.

 

Depoimentos

Gostou do site? Ele te auxiliou em algum momento? Deixe seu depoimento, assine nosso livro de visitas! Clique aqui.

Quem Somos | Serviços | Como Apoiar | Parceiros | Cadastre-se | Política de Privacidade/Cookie/Moderação | Fale Conosco
O nosso portal possui anúncios de terceiros. Não controlamos o conteúdo de tais anúncios e o nosso conteúdo editorial é livre de qualquer influência comercial.
Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie.
24 Ano no ar ! On-line desde de 31 de julho de 1996 - Desenvolvido por FW2 Agência Digital