Aleitamento.com
AmamentaçãoMãe CangurúCriançasCuidado PaternoHumanização do PartoBancos de Leite Humano Espiritualidade & Saúde DireitosProteçãoPromoçãoILCA / IBCLCConteúdo ExclusivoTV AleitamentoGaleria AMNotíciasEventosSites e BlogsLivrariaCampanhas
 
Faça seu login e utilize ferramentas exclusivas. Se esqueceu a senha, acesse o "cadastre-se" e preencha com seu e-mail.

\ Cuidado Paterno \ Homem \ Artigo

SÍNDROME de DOWN: PAIS de TODO o MUNDO dão EXEMPLOS

Por: BBC BRASIL + O Globo + Prof. Marcus Renato de Carvalho

       

       

Down

Mostra busca romper preconceito contra Síndrome de Down
 
 
 
Diminuir o preconceito e chamar a atenção para a Síndrome de Down são o objetivo da exposição Shifting Perspectives (Mudando Perspectivas), em cartaz em Londres.

Organizada pelo fotógrafo Richard Bailey, que tem uma filha com o problema, a mostra reúne diversas imagens de crianças com a doença. Elas foram fotografadas a pedido de Bailey pelos seus pais.

Uma das imagens de maior sucesso é uma em que aparecem 365 crianças, todas portadoras da síndrome e vestidas de preto, rindo, felizes.

"Quis mostrar que cada uma tem uma personalidade, é diferente", conta o fotógrafo.

Bailey conta que o maior objetivo da exposição é amenizar o estigma que envolve a doença.

A filha do fotógrafo, Billie Jo, por exemplo, estuda em uma escola normal, dorme na casa dos amiguinhos e é muito feliz e afetiva, segundo o pai.

“Não tem nada do esteriótipo de que os portadores de Down só ficam em casa, gordos e com as línguas de fora", conta Richard Bailey.

Segundo o fotógrafo, muitas pessoas ainda acham que a Síndrome de Down é um mal contagioso. "Eu mesmo tinha preconceito antes de ter Billie Jo. Espero que a mostra contribua para mudar essa idéia".

Uma das fotos que chamam atenção é a de Fiona Field, que registra a sua filha, Ophir, em uma piscina. Ao redor dela, lêem-se as palavras: "(...) Você pode me ouvir? Preste atenção, se concentre (...) seja você mesmo".

A mostra está em cartaz na Associação para a Síndrome de Down da Grã-Bretanha.

Bailey conta que antes de ter a sua filha, Billie-Jo, ele mesmo tinha uma série de preconceitos em relação à doença. Assim como muitas pessoas ainda têm, acredita o fotógrafo, lembrando que muita gente ainda pergunta se trata-se de um mal contagioso.

Richard Bailey chamou um grupo de fotógrafos que também têm filhos com Down para preparar fotos para a exposição, em cartaz na Associação para a Síndrome de Down da Grã-Bretanha.

Nesta imagem, Maria de Fatima Campos se fotografa dando de mamar à filha, Victoria.

Foto: Maria de Fatima Campos

 

E no BRASIL: ROMÁRIO DÁ EXEMPLO

‘A Ivy é uma dádiva, um presente’

Foto de divulgação


Romário promete ir ao lançamento da campanha “Ser Diferente é Normal”, hoje, no Galeria Gourmet. O jogador falou sobre as mudanças desde que nasceu Ivy, há um mês e quinze dias, com síndrome de Down:

Você pareceu assustado quando soube que Ivy era portadora da síndrome. Como está agora?

ROMÁRIO: Eu acompanhei o parto e correu tudo normal. Ninguém sabia. Meia hora depois o médico me chamou e avisou que ela poderia ser portadora da síndrome. Foi estranho. Depois fiquei mais tranqüilo. Hoje agradeço a Papai do Céu.

Como ela está?

ROMÁRIO: Por enquanto ela é como qualquer outro bebê: mama, dorme, chora. A Moniquinha ajuda a cuidar dela. O Romarinho tá amarradão. O Rafinha e a Belinha não entendem porque são pequenos.

Seus filhos têm apelidos. Qual o da Ivy?

ROMÁRIO: Princesinha e também Chininha por causa dos olhinhos.

O que ela mudou em você?

ROMÁRIO: É uma dádiva, um presente. Sou cara mais alegre, paciente e tolerante. Entendo mais a vida.

Você está informado sobre a síndrome de Down?

ROMÁRIO: Ainda sou um ignorante. Li sobre o assunto. Mas tenho muito o que aprender.

O que te preocupa?

ROMÁRIO: Acho que tem muito preconceito, principalmente por parte dos pais. Vejo que alguns pais de filhos portadores da síndrome escondem os filhos, não falam sobre isso. Quero mostrar que é normal.

Como será o tratamento (orientado pelo geneticista Juan Llerena)?

ROMÁRIO: Daqui a dois meses, ela começa tratamentos, fisioterapia.

A gravidez foi tranqüila?

ROMÁRIO: Quando a Isabela estava com três meses, fez uma ultra-sonografia de translucência nucal. O resultado estava um pouco acima do normal (o limite é de 2,5 mm, o exame de Ivy deu 4,2). Daí fizemos biópsia de vilo coriônico (que detecta modificações nos cromossomos) e deu 98% de chance de estar tudo bem. Ficamos tranqüilos.

Você pensa em apoiar ONGs?

ROMÁRIO: Encomendei 100 mil pulseiras vermelhas da China que trazem escrito “Special love”. Vou vender, a renda será para instituições.
 


Última atualização: 28/3/2011

 

Curtir

Comentários


Essa é uma área colaborativa, por isso, não nos responsabilizamos pelo conteúdo. Leia nossa Política de Moderação.
Caso ocorra alguma irregularidade, mande-nos uma mensagem.

 

Depoimentos

Gostou do site? Ele te auxiliou em algum momento? Deixe seu depoimento, assine nosso livro de visitas! Clique aqui.

Quem Somos | Serviços | Como Apoiar | Parceiros | Cadastre-se | Política de Privacidade/Cookie/Moderação | Fale Conosco
O nosso portal possui anúncios de terceiros. Não controlamos o conteúdo de tais anúncios e o nosso conteúdo editorial é livre de qualquer influência comercial.
Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie.
24 Ano no ar ! On-line desde de 31 de julho de 1996 - Desenvolvido por FW2 Agência Digital