Aleitamento.com
AmamentaçãoMãe CangurúCriançasCuidado PaternoHumanização do PartoBancos de Leite Humano Espiritualidade & Saúde DireitosProteçãoPromoçãoILCA / IBCLCConteúdo ExclusivoTV AleitamentoGaleria AMNotíciasEventosSites e BlogsLivrariaCampanhas
 
Faça seu login e utilize ferramentas exclusivas. Se esqueceu a senha, acesse o "cadastre-se" e preencha com seu e-mail.

\ Cuidado Paterno \ Homem \ Artigo

Mulheres também acreditam que há um Novo Pai ?

Por: Maria Lúcia dos Reis

O novo pai

 No próximo domingo comemoramos o Dia dos Pais. Temos observado várias mudanças sociais nas relações entre homens e mulheres e, como conseqüência, também têm ocorrido grandes transformações na relação do homem com seus filhos. No início da organização das sociedades, o papel do pai era bem definido: prover e proteger a família. Cuidar e alimentar a prole era papel da mãe. Com o tempo, a mulher também tornou-se provedora. Este fato – embora não seja o único - contribuiu para que vários pais não assumissem a cria que tiveram, pois desobrigaram-se dessa tarefa frente à extensão do papel feminino.

Uma coisa é certa: toda criança tem o direito de ter um pai e uma mãe. Mas isto não é o bastante. Os pais devem proporcionar-lhes segurança, proteção e cuidado para um pleno desenvolvimento. Diante disto, muitos leitores podem argumentar que tantas pessoas são criadas só pela mãe, ou por substitutos, e são saudáveis. Sim, há inúmeros exemplos de crianças que não tiveram o nome de um pai ou o perderam precocemente e ainda assim sobreviveram emocionalmente. Mas com certeza tiveram que "arrumar um pai emprestado", um pai de "consideração" para garantir-lhe o mínimo de proteção. Quando conhecemos o universo de algumas pessoas que não tiveram um substituo do genitor a contento compreendemos os dramas vividos pela falta dessa figura tão importante.

Hoje conhecemos um novo pai. Ele está se transformando e integrando-se ao núcleo afetuoso da família. Para isto, ele está mais próximo, curioso e sensível. É importante que a mulher o ajude nessa empreitada, pois, ao contrário da mãe, ele demora um pouco mais para se aproximar da criança. Na gravidez, a mulher vive sozinha o desenvolvimento materializado da gestação. Após o nascimento, ela estabelece uma relação ainda simbiótica com o filho, mantendo o pai em segundo plano. Mas ela deve favorecer um desligamento progressivo do filho e o pai deve se aproximar, fazendo parte da tríade.

Mesmo o pai tendo um pouco retardada a sua experiência concreta com o filho, ele vivencia as emoções ligadas ao pequeno. Na gravidez, também sente-se "grávido" e participa ativamente da espera. Muitas vezes apresenta sintomas físicos - parecidos com os da mulher - que caracterizam a expressão corporal dessas emoções. É a chamada síndrome da couvade. Com o filhote em mãos, o homem já pode interferir no seu desenvolvimento e é peça importante quando dá a retaguarda para a mulher exercer o cuidado básico dos primeiros meses.

Em cada fase do desenvolvimento, o pai desempenha diferentes papéis, sendo protetor, orientador, provedor, disciplinador e hoje, como pode ser comprovado por bonitos exemplos, ele já divide com a mulher as complexas tarefas do cuidar.

A todos os pais, mesmo que distantes fisicamente, mas que se fazem presentes emocionalmente, deixo a minha homenagem.

Maria Lúcia dos Reis é especialista em Psicologia Clínica, atende em Consultório e no Ambulatório de Saúde Mental e é professora da FIP. 

mlucia@wbrnet.com.br

 


Última atualização: 3/3/2011

 

Curtir

Comentários


Essa é uma área colaborativa, por isso, não nos responsabilizamos pelo conteúdo. Leia nossa Política de Moderação.
Caso ocorra alguma irregularidade, mande-nos uma mensagem.

 

Depoimentos

Gostou do site? Ele te auxiliou em algum momento? Deixe seu depoimento, assine nosso livro de visitas! Clique aqui.

Quem Somos | Serviços | Como Apoiar | Parceiros | Cadastre-se | Política de Privacidade/Cookie/Moderação | Fale Conosco
O nosso portal possui anúncios de terceiros. Não controlamos o conteúdo de tais anúncios e o nosso conteúdo editorial é livre de qualquer influência comercial.
Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie.
24 Ano no ar ! On-line desde de 31 de julho de 1996 - Desenvolvido por FW2 Agência Digital