Aleitamento.com
AmamentaçãoMãe CangurúCriançasCuidado PaternoHumanização do PartoBancos de Leite Humano Espiritualidade & Saúde DireitosProteçãoPromoçãoILCA / IBCLCConteúdo ExclusivoTV AleitamentoGaleria AMNotíciasEventosSites e BlogsLivrariaCampanhas
 
Faça seu login e utilize ferramentas exclusivas. Se esqueceu a senha, acesse o "cadastre-se" e preencha com seu e-mail.

AMOR IMEDIATO pelo RN: mais comum no PAI do que na MÃE - pesquisa

Por: Prof. Marcus Renato de Carvalho, IBCLC

 //

Reação de amor imediato por

recém-nascido

é mais comum no pai do que na mãe,

revela estudo

Um estudo da Universidade do Minho aponta que a "reação de amor imediato" para com um recém-nascido "é mais comum" no pai e que as dores do parto interferem na "disponibilidade" da mãe para se ligar afetivamente ao bebê.

 

Num comunicado enviado hoje à agência Lusa, a academia minhota explica que o estudo "Mães e Pais - Envolvimento Emocional com o Bebê", de uma investigadora da Escola de Psicologia daquela universidade, Barbara Figueiredo, contraria crenças populares ao defender que o "amor" da mãe com o filho "nem sempre é instantâneo".

Segundo Barbara Figueiredo, cujo trabalho envolveu mil progenitores, "a reação de amor imediato é, de fato, mais comum nos homens do que nas mulheres".

A investigadora adianta uma possível explicação: "Talvez devido ao fato de eles não passarem fisicamente pelo parto".

Alias, o parto influencia, segundo aquele estudo, a ligação da mulher ao recém-nascido.

"A dor sentida durante este processo interfere no estado emocional da mãe após o parto, bem como na sua disponibilidade para se ligar afetivamente ao bebê", explica Bárbara Figueiredo.

A "intensidade" da dor durante o trabalho de parto e logo a seguir é, reflete o texto, "um dos fatores mais determinantes para o envolvimento emocional inicial" pelo que "quanto maiores são os níveis de dor, menor é o vínculo estabelecido ao 3º e 5º dias".

 

As conclusões da investigadora contrariam, assim, algumas "crenças populares" que apontam que o amor da mãe pelo filho são instantâneos.

"Enquanto para algumas é imediato, para outras nem tanto. Temos fortes indicações para pensar que a ligação efetiva da mãe ao bebê se faz de um modo relativamente gradual", desmitifica Bárbara Figueiredo.

"Trata-se de um processo de adaptação mútuo que pode ser complicado ou facilitado dependendo de várias fatores como o desenrolar da gravidez e do parto", refere a investigadora.

Doutorada em Psicologia Clínica pela Universidade do Minho (U. Minho), Bárbara Figueiredo é professora nesta instituição há 22 anos, tendo coordenado inúmeros projetos financiados pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, Fundação Calouste Gulbenkian e Fundação Bial.

É ainda a responsável pela Unidade de Estudos da Família e Intervenção do Centro de Investigação em Psicologia e membro do Serviço de Psicologia da U Minho.

 

Fonte: Diário Digital com Lusa

PS: Mais um bom argumento para a humanização do parto e o impedimento de violência obstétrica e partos dolorosos.

 www.aleitamento.com


Última atualização: 10/7/2014

 

Curtir

Comentários


Essa é uma área colaborativa, por isso, não nos responsabilizamos pelo conteúdo. Leia nossa Política de Moderação.
Caso ocorra alguma irregularidade, mande-nos uma mensagem.

 

Depoimentos

Gostou do site? Ele te auxiliou em algum momento? Deixe seu depoimento, assine nosso livro de visitas! Clique aqui.

Quem Somos | Serviços | Como Apoiar | Parceiros | Cadastre-se | Política de Privacidade/Cookie/Moderação | Fale Conosco
O nosso portal possui anúncios de terceiros. Não controlamos o conteúdo de tais anúncios e o nosso conteúdo editorial é livre de qualquer influência comercial.
Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie.
24 Ano no ar ! On-line desde de 31 de julho de 1996 - Desenvolvido por FW2 Agência Digital